quinta-feira, 8 de setembro de 2011

A VERDADE SOBRE UM HIPÓCRITA!




O interior de um hipócrita nunca corresponde ao seu exterior. O  interior de um hipócrita é uma coisa, e seu exterior é outra coisa; um hipócrita  é exteriormente limpo — mas interiormente impuro. Hipócritas são como os  frascos dos farmacêuticos, tendo por fora o título de algum excelente remédio  — mas por dentro algum veneno mortal. Eles são como os templos egípcios  que são belos por fora — mas dentro deles nada se encontra além de  serpentes e crocodilos e outras criaturas venenosas.

Hipócritas laboram mais em prol de um bom nome do que de um bom  coração; uma boa repercussão dos seus feitos do que uma boa consciência;  eles são como violinistas, mais cuidadosos em afinar seus instrumentos do que  em vigiar suas almas. Hipócritas são como prata — porém escurecem; eles  possuem uma aparente santificação externa — mas interiormente são cheios  de malícia, mundanismo, orgulho, inveja, etc. São como almofadas de sofá, feitas de veludo e ricamente bordadas — mas cujo interior é cheio de feno.

Um hipócrita pode oferecer sacrifício como Caim, correr como Jezabel, chorar com as lágrimas de Esaú, beijar Cristo como  Judas, seguir a Cristo como Demas, e aparentar compromisso como Simão, o Mago; e ainda com tudo isto seu interior é tão mau quanto qualquer um deles. 

Um hipócrita é um Jacó por fora e um Esaú por dentro; um Davi por  fora e um Saul por dentro; um Pedro por fora e um Judas por dentro; um  santo por fora e um Satanás por dentro; um anjo por fora e um demônio por  dentro. Um hipócrita é um Judeu exteriormente — mas um ateu, um pagão,  um infiel interiormente. Li sobre certas estátuas, assemelhando-se a Júpiter e  Netuno, que por fora eram cobertas com ouro e pérola — mas por dentro  não tinham outra coisa senão aranhas e teias de aranha; a comparação perfeita  com os hipócritas.

Certo monge acertou quando disse: “Mostrar ser um monge de forma  externa foi fácil — mas ser, de fato, um monge, interiormente, foi difícil.” Mostrar ser um cristão de forma externa é fácil — mas ser, de fato, um  cristão, interiormente, é muito difícil. O exterior de um hipócrita nunca reflete  ou corresponde ao seu interior; seu interior é perverso, e seu exterior é piedoso. Mas que todos os hipócritas saibam: fingir santidade é duplamente  iníquo e, ao fim, terão de responder por isto.

Thomas Brooks (1608-1680).

Um comentário:

cinenegocioseimoveis disse...

Amigos que tal o texto:

- O QUE É... HIPOCRISIA?
http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2012/06/o-que-e.html

Abraço a Todos
Osvaldo Aires

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...